PSICOLOGIA

PSICOLOGIA
PSICOLOGA LUCIANA VOOS CRP 06/75105

Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Don Juan parte 2: O homem em fuga


Encontrei uma literatura que ja tinha visto a muito tempo mas não me lembrava mais, de Aldo Carotenuto que tambem fala sobre o movimento do Don Juan. Gostaria de compartilhar alguns trechos que achei interessante. Ja escrevi um pouco sobre ele num artigo abaixo mas esse texto traz mais claramente seus movimentos e eu gostei muito.

Aldo conta que Don Juan é uma homem em fuga, incapaz de relação autentica. É um homem sedutor que precisa constantemente de uma nova mulher na qual possa suscitar uma esperança e de necessariamente frustra-la. Muitas vezes ela vai atrás dessa mulher sutilmente, sem nem se dar conta do tipo de relação que esta tentando estabelecer, age inconscientemente. Por fim ele acaba sendo amado e odiado por essa mulher pois ela tem uma necessidade insatisfeita de espelhamento e acaba se atraindo por ele mas por outro lado, a dor do abandono faz com que ela sinta ódio. Esse homem sedutor provavelmente foi uma criança que viveu com a certeza de que qualquer resistência á sua mãe acarretaria imediatamente seu abandono por parte dela. Portanto nota-se neste caso figuras maternas muitos frágeis e que exigem dele o máximo de esforço de adaptação e fica no ar a ameaça de ser abandonado sempre que ele encontra uma oportunidade de dizer não. Muitas vezes se torna uma pessoa com dificuldades para dizer não pois isso remete ao abandono. Quando essa criança cresce tenderá a procurar ativar essa dinâmica que sofreu quando criança da seguinte forma: ele oferece ás mulheres satisfação e admiração, envolve e encanta essas mulheres, fala coisas que as animem, que as empolguem para logo depois retirar-se repentinamente. Quando ela se apaixona, ele se afasta. Há uma verdadeira e própria liberdade nessas atitudes, das quais a traição é uma das feridas mais dolorosas. Por trás dessa chamada "liberdade" na verdade esconde-se uma profunda dependência, a de um homem que não tem o direito de dizer não porque sua mãe não o suportaria. Otto Rank diz que o grande problema desse homem sedutor é um complô secreto e inconsciente de fidelidade á mãe, intocável, insubstituível, colocada em um altar. Ele nunca vai encontrar uma mulher á altura dessa mãe e nem deve. Mas não se da conta disso e fica se boicotando. Otto diz que se você parar para pensar, na verdade são as mulheres que seduzem esse homem e não o contrário pois ele só conhece o corpo da mulher e não sua alma. O máximo que ele consegue ver são as máscaras e as mulheres acabam mentindo para eles e foi ele próprio quem quis essas mentiras, uma vez que a mulher se mostra ao homem da forma como ele a deseja... Ele talvez até desconfie de que algo está errado, pode ter dificuldade para acreditar nas mulheres como se elas estivessem mentindo o tempo todo mas ele não se da conta de como ele mesmo se coloca nessa situação, e as vezes até a cria. Portanto as mulheres o conquistaram, e se ele o permitiu foi por causa de seu medo inconfesso de dever ser fiel a uma só. Todos nós carregamos cicatrizes de nossa infância mas uma ferida não cicatrizada não pertence só ao passado, porque esta sempre presente, são chagas abertas. A estrategia tipica do homem sedutor é a mentira que ele usa para "poupar" as mulheres da frustração e desencanto mas por causa dessas mentiras ele acaba afastando-as dele. Sufocado sempre mais pela insistência delas, esse tipo de homem procurará um pouco de liberdade, provocando as mulheres para serem cruéis com ele. É uma forma de provocação indireta pois ele não consegue exprimir diretamente suas exigências e dessa forma magoa a mulher e se machuca pois acaba se lançando em uma dor profunda a qual ele explode quando a mulher desmascara sozinha sua hipocrisia. Quanto mais vingativa for a mulher, reagindo á vergonha de estar sendo enganada por ele, mais o sedutor se sentirá legitimado em abandoná-la, acreditando que esta certo, que é isso mesmo que deve fazer. Como se finalmente a atitude dela confirmasse que ele deve abandona-la mas ele ja esta fazendo isso sem perceber. Depois disso ele vai procurar outra parceira mas continuará nessa cadeia de satisfações e de frustrações. Por mais compreensiva e afetuosa que seja a nova parceira, ela não terá o poder de transformar em "não acontecido" o trauma originário que tornou tal o sedutor. Ele dará um jeito, mesmo que de forma inconsciente, de constrange-la, coloca-la em situação em que a compreensão não será mais possível e tentará levá-la escolher a crueldade.


" ... O fato de a pessoa poder crescer sincera e franca depende presumivelmente do grau de tolerância da verdade demonstrado por seus pais e das sanções relativas a ela que eles tenham imposto ao seu filho." Alice Miller

"A beleza que seduz poucas vezes coincide com a beleza que faz apaixonar." José Ortega y Gasset

Trechos do Livro de Aldo Carotenuto, Amar e Trair da editora Paulus.
Foto da net.

Nenhum comentário:

Postar um comentário