Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Individuação e a Solidão


O termo individuação é citado por Jung como um processo pelo qual a pessoa se torna um individuo psicologico, ou seja, uma unidade separada, indivisivel. O objetivo da individuação é restabelecer o todo: inconsciente e consciente. Contudo, o dificil dessa tarefa é que ela so pode ser feita através do conflito entre as duas partes.

Vivenciar a individuação é vivenciar uma forma especial de solidão. Para conhecer-se precisamos da revelação do quem arquetipico. No Livro Memorias, sonhos, reflexões, Jung faz esse mergulho. É uma especie de introversão criativa que todos devemos nos dar a oportunidade. Nesse momento podemos nos sentir só, mas é uma solidão que não se trata de ser anti social mas que "pode devolver-nos ao mundo com renovada energia para a ação e um sentido mais aguçado de nossa própria identidade e de nosso papel especial em relação ao mundo".

Edward Edinger (em Ego e Arquetipo) fala sobre o significado da palavra "solitário" (como é usada nos Evangelhos Gnósticos). No grego original a idéia de solteiro ou solitário pode tambem traduzir-se por "unificado". Infelizmente, quem conseguir esse tipo de unidade interior precisa pagar o preço da solidão. Jung diz que uma pessoa que experiencia esta condição não precisa se afastar do mundo e dos seus problemas fisicamente. Pelo contrário, uma pessoa que tenha atingido uma segura unidade interior, continuará a ser envolvida na vida, mas que de um modo diferente.

Olhando para o dia a dia vemos a solidão sendo vivenciada de várias formas. Ao mesmo tempo que muitas pessoas hoje ja se assumem sozinhos e conseguem viver com isso de uma forma melhor do que tempos atrás, por outro lado vemos, na maioria das pessoas, uma luta constante para não se sentir sozinho. A dor do estar sozinho realmente não é boa contudo nos força a olhar para dentro de nós e a navegar por nosso mundo interior, raridade no mundo ocidental. Conseguir conviver com esse sofrimento e ampliar a consciencia que temos de nós mesmos é um caminho válido, recompensador mas reservado aos mais guerreiros e corajosos. Isso não é uma apologia á solidão mas um outro olhar sobre ela para que aprendamos a fazer companhia a nós próprios. Quando não falamos o que sentimos, não buscamos o que precisamos, quando não colocamos limites na vida para que ela nos machuque menos, não fomos abandonado pelo mundo, fomos abandonados por nós mesmos.

"Desculpem eu ser eu. Quero ficar só! grita a alma do tímido que só se liberta na solidão. Contraditoriamente quer o quente aconchego das pessoas."
Clarice Lispector


Referencias:
Jung: o poeta da alma Por Amnéris Maroni
Jung e o taro: uma jornada arquetipica por Sallie Nichols
imagem da net

2 comentários:

  1. Muito bom, parabéns pelo conteúdo!
    Realmente vivenciar o Ser Interno é como um fogo de Luz e transformação. E é somente na solidão que podemos vivenciar isso.
    Wilhelm Reich também se considera um solitário:
    "Solitário e só estou,
    Mas rico e no meio de todos eles.
    O silêncio envolve meus domínios."
    (O assassinato de Cristo)

    ResponderExcluir
  2. Obrigada acho q no todos somos solitarios quando se trata de nossa realidade interior e da propria individiacao...Nao assumimos essa condicao pela dificil tarefa de enfrentarmos nossos fantasmas... Abracos

    ResponderExcluir