PSICOLOGIA

PSICOLOGIA
PSICOLOGA LUCIANA VOOS CRP 06/75105

Pesquisar este blog

sábado, 16 de julho de 2011

Que culpa tenho eu...


imagem do filme á espera de um milagre Ligue o som abaixo

Ahhh inevitável culpa... num mundo cristão ja nascemos com ela, culpados pelo pecado original.

Vejo todos os dias o peso da dita culpa nas costas de tanta gente... muitas vezes o sofrimento é dobrado só por causa de uma pequenina palavra: culpa.

Na Wikipedia vemos que a "culpa se refere à responsabilidade dada à pessoa por um ato que provocou prejuízo material, moral ou espiritual a si mesma ou a outrem. O processo de identificação e atribuição de culpa pode se dar no plano subjetivo, intersubjetivo e objetivo".

Será que a intenção deve ser considerada de alguma forma? Faz diferença se faço mal a alguém por que quero fazer ou se faço sem perceber? Não sei se faz para quem recebe o mal mas com certeza, para tomar decisões para o futuro faz. Uma pessoa que faz um mal, se da conta e não quer mais faze-lo, poderá ter a chance de nunca mais fazer de novo. Quem faz porque quer, porque acha certo, com certeza repetirá. Muitas vezes esta pessoa estará precisando de ajuda.


Na psicologia o "sentimento de culpa pode ser apenas limitação momentânea no processo de auto-realização" (Wikipedia)Mas o que vemos no dia a dia é que esta culpa é sempre vista como muito pesada, que destina alguém ao inferno. E as pessoas entram mesmo neste inferno em vida. Se destroem e destroem tudo ao redor numa luta constante contra o sentimento de culpa.

Todas as interpretações que poderíamos dar a ela se perde quando a sentimos e somente re-agimos ao mal estar que ela causa. Não podemos nos identificar com ela. Sentir culpa não significa sermos um monstro, errar não significa sermos um monstro. Culpamo-nos excessivamente ou jogamos toda a culpa em alguém mais próximo pois não conseguimos suportá-la em nosso peito.

Ambas decisões são ruins e destrutivas e nos leva a viver um eterno ciclo... repetimos comportamentos a vida toda e não saimos do lugar.

Uma vez perguntaram a Gandhi se ele perdoava aqueles que lhe fizeram mal. Ele disse que não. As pessoas não entenderam nada pois esperavam outra resposta. Então ele explicou que as pessoas não o magoam. Ele não espera das pessoas aquilo que elas não podem lhe dar, por isso não se magoa com o que elas fazem.

Ó dor da culpa que me acompanha, seja complacente comigo... quantas vezes luto para acertar e acabo por errar... se me perco em meus sentimentos, como conseguirei acertar com os sentimentos dos outros, que na maioria das vezes nem sei quais são??? Você tem o habito de contar seu sentimentos a quem voce ama? Ou quer que eles advinham?

Talvez precisamos nos ajudar uns aos outros, precisamos de compreensão mútua, precisamos de uma segunda chance... mas hoje, com tantas opções por ai, pra que dar uma chance a alguém... trocamos por outro e pronto... fácil como trocar de carro, de roupa... E os corações seguem, marcados pela dor de ser quem se é...

No filme Á espera de um milagre, o protagonista tenta salvar duas meninas porque ele tinha um dom que ninguém conhecia mas foi mal interpretado e condenado. Numa frase ele diz, antes de morrer: "Quero pedir perdão por quem eu sou?"

Existe tamanha dor que sentir-se culpado por ser quem se é!!!

SE JA TE FIZ ALGUM MAL, PEÇO PERDÃO POR SER QUEM EU SOU!!!!!!!!!!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário