PSICOLOGIA

PSICOLOGIA
PSICOLOGA LUCIANA VOOS CRP 06/75105

Pesquisar este blog

domingo, 21 de agosto de 2011

Por que o amor não acontece...



Descobri um livro que me deu palavras para falar sobre algo que eu acredito profundamente: que a busca por um relacionamento ou pessoa perfeita para ser feliz não é real mas que podemos vivenciar o amor mesmo com nossos defeitos e dificuldades.

Vivemos em uma cultura enlouquecida por sexo e romance mas o que acabamos encontrando é um monte de corações desiludidos. Para Welwood, a raiz de todos os problemas relacionais está no amor... no amor próprio e pelo outro, amor pela vida.
Na busca por aceitaçao, por sermos valorizados acabamos entrando em relacionamentos com uma alta expectativa em relação ao outro, e como consequencia, nos frustramos.

Muitas vezes a dor de não se sentir amados vem de nossa história familiar... esquecemos que nossos pais são humanos tambem, erram conosco muitas vezes e arrastamos por toda a vida a dificuldade de nos sentirmos dignos de sermos amados.

Quando um bebe nasce nos sentimos tão agraciados que o amamos incondicionalmente. Quando nos apaixonamos ficamos tão encantados pela beleza do outro que abrimos nosso coração e sentimos intensa felicidade. Quando um amigo esta morrendo, todos os conflitos com essa pessoa parece desaparecer... o aceitamos como ele realmente é, estamos felizes so por estar ali conosco... Esse é o amor absoluto, que nos faz nos abrir ao outro sem exigencias... ele flui naturalmente... O amor absoluto é o amor do ser. (pg37)

Mas a personalidade humana não é a fonte do amor absoluto, ou seja, nosso coração é um canal para esse amor mas na maioria das vezes ele não acontece porque temos no coração um monte de entulhos, de atitudes amedrontadas e defensivas. Nos fechamos para dar e receber o amor por medo de sermos machucados ou porque acreditamos que o outro é quem vai nos amar profundamente e nos dar o sentimento de plenitude que procuramos. Enquanto acreditarmos nisso, nunca viveremos o amor de fato.

Portanto não podemos acreditar que quando o outro não da aquilo que precisamos ele simplesmente não nos ama. O amor vivenciado no dia a dia é relativo ou seja depende de "quanto cada um de nós é capaz de dar e receber, da quimica que existe entre nós, de nossas limitações e comportamentos condicionados, de quando progredimos em nosso desenvolvimento pessoal, de quanta consciencia e flexibilidade cada um tem, da qualidade de nossa comunicação, da situação em que nos encontramos..." enfim, precisamos abrir os olhos para vermos o que realmente acontece num relacionamento e o mais importante, abrir nosso coração para receber... baixar a guarda, parar de achar que o outro é ruim quando não nos atende como imaginamos... e o centro de tudo... precisamos escutar com muito cuidado nosso coração e descobrir que mágoas e ressentimentos são esses que estão tomando conta dele... De onde vem e porque insistimos em mante-los em nós... será que acreditamos que estaremos mais fortes assim?

Só voce pode ouvir seu coração no silencio da noite, reconhecer o que há nele, aceitar os sentimentos mesmo que o considere ruins. Saiba que por trás do medo e da dor ha uma pessoa maravilhosa que merece ser amada. As dores são nuvens... sua alma é o céu... as nuvens podem encobri-lo mas jamais serão maior que o céu... no momento da dor olhe para o céu e lembre-se de quão lindo e maravilhoso ele é... só assim voce não precisará mais do reconhecimento dos outros para saber quem é... voce ja sabe!!!! Enquanto voce não assumir a tarefa de cuidar de sua dor mais profunda, passará o resto da vida colocando expectativas nos outros que jamais poderão ser atendidas... Se voce tem medo de sentir essa dor, saiba que somente o veneno da cobra é o antidoto contra o envenenamento... Permita-se sentir e colocar para fora o que te incomoda para que não passe o resto da vida se relacionando com base no medo.

"O que impede a ferida de se curar é nao sabermos que somos admiráveis e dignos de amor por sermos quem somos..."

Trechos baseados no livro "Amor perfeito, relacionamentos imperfeitos". O autor John Welwood é um psicoterapeuta e seu trabalho é baseado em ajudar pessoas a lidar com problemas que destroem seus relacionamentos afetivos. Basicamente nosso coração, quando esta cheio de magoas e ressentimentos, se fecha para a entrada de amor e acaba não conseguindo dar tambem. Recomendo para quem quer saber mais sobre isso.

Bjus, Bjus





Nenhum comentário:

Postar um comentário